A História da E.G.C.

A Conferência de Paris em 1908

Em 24 de junho de 1908, encausse organizou uma “Conferência Internacional Maçônica e Espiritualista” em Paris, na qual recebeu, de graça, uma patente de Theodor Reuss (Merlin Peregrinus, 1855 – 1923), líder da O.T.O., para estabelecer um “Supremo Grande Conselho Geral dos Ritos Unificados Antigos e Maçonaria Primitiva para o Grande Oriente da França e suas Dependências em Paris”. No mesmo ano, o nome l’Église Catholique Gnostique foi mudado para “l’Église Gnostique Universelle” (Igreja Católica Universal).

Cerca de quatro anos depois, dois importantes documentos foram publicados: o Manifesto da M∴M∴M∴ (a M∴M∴M∴ a Seção britânica da O.T.O.), que incluía a “Igreja Gnóstica Católica” na lista de organizações cuja “sabedoria e conhecimento” estavam concentrados na O.T.O.; e a “Edição de Jubileu” de The Oriflamme, o órgão oficial da O.T.O. de Reuss, que anunciava que l’Initiation, periódico de Encausse, era o “Órgão oficial dos Ritos de Memphis e Mizraim e da O.T.O. na França”, com Encausse apontado como editor.

Os detalhes precisos das transações da conferência de Paris em 1908 são desconhecidos, mas baseando–se no curso dos eventos seguintes, a conclusão lógica é que Encausse e Reuss se comprometeram numa fraterna troca de autoridade: Reuss recebendo autoridade episcopal e de primaz na l’Église Catholique Gnostique e Encausse recebendo autoridade nos Ritos de Memphis e Mizraim. Para seu ramo germânico da Igreja, Reuss traduziu “l’Église Catholique Gnostique” para o alemão como Die Gnostische Katholische Kirche” (GKK); enquanto Encausse, Fugairon e Bricaud mudaram o nome do seu ramo francês da Igreja para “l’Église Gnostique Universelle” (EGU), com Bricaud como Patriarca. Como todas suas outras aquisições organizacionais, Reuss incluiniu GKK sob o guarda–chuva da O.T.O. Da sua parte, Bricaud, Fugarion e Encausse declararam a EGU como igreja oficial do Martinismo em 1911.