Introdução ao Liber Al

Faze o que tu queres ser√° o todo da Lei.

Thelema pode ser vista tanto quanto uma religi√£o, uma filosofia, uma proposta social ou a soma de tudo isso. √Č um sistema metaf√≠sico completo, surgido em 1904 atrav√©s do recebimento do Liber AL vel Legis (o Livro da Lei) no Cairo pelo ocultista ingl√™s Aleister Crowley. Esse livro proclama a chegada de um Novo √Üon (Era) para a Humanidade. Nesse sistema, a suprema Lei √© a chamada Lei de Thelema, sintetizada nos dizeres ‚ÄúFaze o que tu queres ser√° o todo da Lei‚ÄĚ e ‚ÄúAmor √© a lei, amor sob vontade.‚ÄĚ Estas palavras conclamam a todos ao autoconhecimento que lhes permitir√° descobrir e realizar sua Verdadeira Vontade.

Esta Vontade, por sua vez, n√£o se trata de mero desejo. A Lei n√£o pode ser interpretada como uma licen√ßa para realizar qualquer capricho e se eximir da responsabilidade. Ao contr√°rio, ela se refere √† estrita miss√£o de descobrir e realizar sua verdadeira natureza, que equivale √† divindade dentro de cada indiv√≠duo. Em compensa√ß√£o, todos os direitos que n√£o sejam a realiza√ß√£o dessa Grande Obra n√£o passam de ilus√Ķes.

Dentro do pensamento thel√™mico, entende‚Äďse que a raz√£o deva ser uma ferramenta da Vontade, e que a experi√™ncia √© mais importante do que a teoriza√ß√£o. A Vontade n√£o se baseia em f√©, mas sim na experi√™ncia direta do indiv√≠duo em seu curso de vida. Thelema n√£o √© uma proposta baseada apenas na teoria, mas sim na viv√™ncia individual, na experimenta√ß√£o direta e no questionamento de ideias. Enquanto a f√© se baseia na aceita√ß√£o plena, a certeza de Thelema se firma sobre a experi√™ncia. Nenhuma experi√™ncia deve ser descartada a priori, mas adequadamente vivida e s√≥ ent√£o analisada √† luz dos resultados desejados. Ao viver apenas a teoria da vida, o indiv√≠duo est√°, assim, privando‚Äďse do conhecimento de sua Vontade. A √ļnica maneira de se lidar com ela √© a viv√™ncia direta da mesma, independente de dogmas ou de f√©.

De todo modo, como todos estamos em processo de autoconhecimento, conflitos internos e externos s√£o normais. A ideia do ‚Äúfaze o que tu queres ser√° o todo da Lei‚ÄĚ traz implica√ß√Ķes √©ticas s√©rias, geralmente exploradas nos trabalhos de Aleister Crowley. Uma vez que se considera que uma pessoa n√£o possua outro direito sen√£o o de cumprir sua Verdadeira Vontade (AL III:60), a √ļnica a√ß√£o correta √© aquela que provenha desta fonte, sendo qualquer outra incorreta.

Toda a√ß√£o que afaste o ser humano do cumprimento desta Vontade √© uma a√ß√£o restritiva e, portanto, considerada ‚Äúpecaminosa‚ÄĚ. O ‚Äúpecado‚ÄĚ assume caracter√≠sticas relativas e n√£o absolutas. O bem e o mal s√£o circunst√Ęncias adequadas a cada um. Com isso, a autodisciplina e o autoconhecimento assumem import√Ęncia capital: como todo ser humano tem potencial divino e √© dotado de sua pr√≥pria e soberana natureza, apenas atrav√©s da disciplina e do conhecimento pleno de si mesmo √© poss√≠vel exercer essa natureza de modo perfeito e harm√īnico, o que inclui n√£o restringir a Vontade alheia, uma vez que o √ļnico crime do Universo √© colis√£o entre estrelas. Essa √© a completa liberdade, incluindo liberdade moral, sexual, pol√≠tica e filos√≥fica, conforme compreendida por Thelema.

Como resultado, a maioria dos Thelemitas e comunidades thel√™micas s√©rias promovem um ambiente de respeito m√ļtuo, confian√ßa e encorajamento de que cada um descubra seu pr√≥prio caminho, evitando a presun√ß√£o de que qualquer um possa conhecer a Vontade do outro melhor do que ele mesmo.

A Lei de Thelema s√≥ pode ser consumada pelos esfor√ßos pessoais de cada um. De todo modo, muitos aspirantes t√™m um interesse genu√≠no por informa√ß√£o, assist√™ncia, companheirismo, oportunidade de troca de conhecimento com seus colegas estudantes ou mesmo de servir a humanidade. Esses aspirantes s√£o bem‚Äďvindos √† O.T.O.

Amor é a lei, amor sob vontade.