Capítulo I

  1. Had! A manifestação de Nuit.

  2. O desvelar da companhia do céu.

  3. Todo homem e toda mulher é uma estrela.

  4. Todo número é infinito; não existe diferença.

  5. Ajuda–me, ó senhor guerreiro de Tebas, em meu desvelar perante as Crianças dos homens!

  6. Sê tu Hadit, meu centro secreto, meu coração & minha língua!

  7. Contemplai! Isto é revelado por Aiwass, o sacerdote de Hoor–paar–kraat.

  8. O Khabs está no Khu, não o Khu no Khabs.

  9. Venerai pois o Khabs, e contemplai minha luz derramada sobre vós!

  10. Que meus servidores sejam poucos & secretos: eles dominarão os muitos & os conhecidos.
  11. São estes tolos que os homens adoram; seus Deuses & seus homens são ambos tolos.

  12. Saíde pois, ó crianças, sob as estrelas, & tomai vossa fartura de amor!

  13. Eu estou sobre vós e em vós. Meu êxtase está no vosso. Minha alegria é ver vossa alegria.

  14. Acima, o adornado azul–celeste é

    O esplendor nu de Nuit;

    Ela se curva em êxtase a beijar

    Os ardores secretos de Hadit.

    O globo alado, o azul estrelado,

    São meus, Ó Ankh–af–na–khonsu!

  15. Agora vós devereis saber que o escolhido sacerdote & apóstolo do espaço infinito é o príncipe–sacerdote a Besta; e em sua mulher chamada a Mulher Escarlate está todo o poder concedido. Eles agruparão minhas crianças dentro do seu cercado: eles trarão a glória das estrelas para dentro do coração dos homens.

  16. Pois ele é sempre um sol, e ela uma lua. Mas para ele é a secreta chama alada e para ela a cadente luz estelar.

  17. Mas vós não sois escolhidos assim.

  18. Arde sobre as frontes deles, ó esplendorosa serpente!

  19. Ó mulher das pálpebras azul–celeste, curva–te sobre eles!

  20. A chave dos rituais está na palavra secreta que dei a eles.

  21. Com o Deus & o Adorador eu nada sou; eles não me vêem. Eles estão como que sobre a terra; eu sou o Paraíso e não há outro Deus além de mim, e meu senhor Hadit.
  22. Agora, portanto, eu sou conhecida de vós pelo meu nome Nuit e dele por um nome secreto que eu hei de lhe dar quando por fim ele me conhecer. Visto que eu sou o Espaço Infinito e as Infinitas Estrelas de lá, fazei isto vós também. Nada prendais! Que no meio de vós não exista diferença feita entre uma coisa qualquer & qualquer outra coisa; pois disso vem a dor.

  23. Mas aquele eficaz nisso, seja ele o chefe de tudo!

  24. Eu sou Nuit, e minha palavra é seis e cinqüenta.

  25. Dividi, somai, multiplicai e compreendei.

  26. Então disse o profeta e escravo da mais bela: Quem sou eu, e o que será o sinal? Então ela lhe respondeu, curvando–se para baixo, uma suave chama de azul, tudo tocando, tudo penetrando, suas adoráveis mãos sobre a terra negra, & seu corpo flexível arqueado por amor, e seus pés macios não ferindo as pequenas flores: Tu o sabes! E o sinal deverá ser meu êxtase, a consciência da continuidade da existência, a onipresença de meu corpo.

  27. Então o sacerdote respondeu & disse para a Rainha do Espaço, beijando suas adoráveis sobrancelhas, e o orvalho de sua luz banhando seu corpo inteiro em um perfume adocicado de suor: Ó Nuit, única e contínua do Céu, que seja sempre assim; que os homens não falem de Ti como Uma mas como Nenhuma; e que não falem de Ti de modo algum visto que Tu és contínua!

  28. Nenhuma, sussurrou a luz, lânguida & encantada, das estrelas, e duas.

  29. Pois eu estou dividida por causa do amor, pela chance de união.

  30. Esta é a criação do mundo, que a dor da divisão é como nada, e a alegria da dissolução é tudo.

  31. Por estes tolos dos homens e suas angústias não te interesses de modo algum! Eles sentem pouco; o que é, é equilibrado por fracas alegrias; mas vós sois meus escolhidos.

  32. Obedecei meu profeta! Ide até os ordálios de meu conhecimento! Procurai apenas a mim! Então as alegrias de meu amor vos redimirão de toda a dor. Isto assim é: Eu juro pela abóbada de meu corpo; por meu sagrado coração e língua, por tudo o que eu posso dar, por tudo o que eu desejo de todos vós.

  33. Então o sacerdote caiu em profundo transe ou desmaio, & disse para a Rainha do Céu; Escreve para nós os ordálios; escreve para nós os rituais; escreve para nós a lei!

  34. Mas ela disse: os ordálios eu não escrevo: os rituais deverão ser metade conhecidos e metade ocultos: a Lei é para todos.

  35. Isto que tu escreves é o tríplice livro da Lei.

  36. Meu escriba Ankh–af–na–khonsu, o sacerdote dos príncipes, não deve uma só letra mudar deste livro; mas a fim de que não haja tolice, ele comentará a respeito pela sabedoria de Ra–Hoor–Khu–It.

  37. Também os mantras e encantamentos, o obeah e o wanga; o trabalho da baqueta e o trabalho da espada; estes ele aprenderá e ensinará.
  38. Ele tem a obrigação de ensinar, mas ele pode fazer severos os ordálios.

  39. A palavra da Lei é Θελημα.

  40. Quem nos chama Telemitas não irá cometer erro, se examinar a palavra de perto . Pois existem nela Três Graus, O Eremita, e o Amante, e o homem da Terra. Faze o que tu queres será o todo da Lei.

  41. A palavra do Pecado é Restrição. Ó homem! Não recuses tua esposa, se ela quer! Ó amante, se tu queres, parte! Não existe laço que possa unir o dividido senão o amor: tudo o mais é maldição. Amaldiçoado! Amaldiçoado seja pelos eons! Inferno.

  42. Deixai aquele estado de multiplicidade limitado e repugnante. O mesmo para todos vós: não tendes direito algum senão fazer a vossa vontade.

  43. Fazei isso, e nenhum outro dirá não.

  44. Pois a vontade pura, aliviada de objetivo, livre do desejo de resultado, é em todos os modos perfeita.

  45. O Perfeito e o Perfeito são um Perfeito e não dois; não, são nenhum!

  46. Nada é uma chave secreta dessa lei. Sessenta e um os judeus a chamam; eu a chamo oito, oitenta, quatrocentos & dezoito.

  47. Mas eles têm a metade: uni através de vossa arte de modo que tudo desapareça.

  48. Meu profeta é um tolo com seu um, um, um; não são eles o Boi, e nenhum pelo Livro?

  49. Ab–rogados estão todos os rituais, todos os ordálios, todas as palavras e sinais. Ra–Hoor–Khuit tomou seu assento ao Leste no Equinócio dos Deuses; e que Asar seja com Isa, os quais também são um. Mas eles não são de mim. Que Asar seja o Adorador, Isa o sofredor; Hoor em seu secreto nome e esplendor é o senhor que inicia.

  50. Há uma palavra a dizer sobre a obra Hierofântica. Contemplai! Existem três ordálios em um, e este pode ser dado em três caminhos. O bruto deve passar através do fogo; que o delicado seja experimentado no intelecto, e os sublimes escolhidos pelo altíssimo. Assim, vós tendes estrela & estrela, sistema & sistema; que nenhum conheça bem o outro.

  51. Existem quatro portões para um palácio; o assoalho desse palácio é de prata e ouro; lápis lazuli & jaspe estão ali, e todas as fragrâncias raras; jasmim e rosa, e os emblemas da morte. Que ele adentre separadamente ou de uma só vez os quatro portões; que ele se mantenha sobre o assoalho do palácio. Não irá ele afundar? Amn. Oh! guerreiro, e se teu servo afundar? Mas existem meios e meios. Sede graciosos portanto: vesti–vos todos com finos trajes; comei saborosas comidas e bebei doces vinhos e vinhos que espumam! Também, tomai vossa fartura e vontade de amor como vós quiserdes, quando, onde e com quem vós quiserdes! Mas sempre para mim!

  52. Se isso não estiver correto, se vós confundis as marcas do espaço, dizendo: Elas são uma; ou dizendo, Elas são muitas; se o ritual não for sempre para mim: então esperai os terríveis julgamentos de Ra–Hoor–Khuit!

  53. Isso deverá regenerar o mundo, o pequeno mundo minha irmã, meu coração & minha língua para quem eu envio este beijo. Além disso, ó escriba e profeta, embora tu sejas dos príncipes, isso não te aliviará nem te absolverá. Mas sejam teus o êxtase e a alegria da terra; sempre A mim! A mim!

  54. Não mudes sequer o estilo de uma letra, pois observai! tu, ó profeta, não deverás vislumbrar todos esses mistérios escondidos aí dentro.

  55. A criança de tuas entranhas, ele os vislumbrará.

  56. Não o esperes do Leste, nem do Oeste; pois de nenhuma casa esperada esta criança virá. Aum! Todas as palavras são sagradas e todos os profetas verdadeiros; salvo apenas que eles compreendem um pouco; solucionam a primeira metade da equação, deixam a segunda inatacada. Mas tu tens tudo em clara luz, e algo, embora nem tudo, na escuridão.

  57. Invocai–me sob minhas estrelas! Amor é a lei, amor sob vontade. Nem permita que os tolos confundam o amor; pois existe amor e amor. Existe a pomba, e existe a serpente. Escolhei bem! Ele, meu profeta, escolheu, conhecendo a lei da fortaleza, e o grande Mistério da Casa de Deus. Todas estas velhas letras de meu Livro estão corretas, mas x não é a Estrela. Isso também é secreto: meu profeta o revelará ao sábio.

  58. Eu dou alegrias inimagináveis na terra; certeza, não fé, enquanto em vida, sobre a morte; paz indescritível, repouso, êxtase; sem exigir algo em sacrifício.

  59. Meu incenso é de madeiras resinosas & gomas, e não existe sangue aí: por causa do meu cabelo as árvores da Eternidade.

  60. Meu número é 11, como todos os números deles que são dos nossos. A Estrela de Cinco Pontas com um Círculo no Meio, & o círculo é Vermelho. Minha cor é negra para o cego, mas o azul e o ouro são vistos pelo que vê.Também possuo uma glória secreta para os que me amam.
  61. Mas amar–me é melhor do que todas as coisas: se sob as estrelas noturnas no deserto tu neste momento queimas meu incenso perante mim, invocando–me com um coração puro, e a chama da Serpente aí dentro, tu virás a deitar um pouco em meu seio. Por um beijo tu então estarás querendo dar tudo, mas aquele que der uma partícula de pó perderá tudo nessa hora. Vós devereis juntar bens e provisões de mulheres e especiarias; vós devereis trajar ricas jóias, vós devereis exceder as nações da terra em esplendor & orgulho; mas sempre no amor de mim, e então devereis vir para a minha alegria. Eu vos ordeno seriamente a vir ante mim num robe único e cobertos com um rico adorno na cabeça. Eu vos amo! Eu anseio por vós! Pálido ou púrpura, velado ou voluptuoso, eu que sou toda prazer e púrpura, e a embriaguez do sentido mais profundo, vos desejo. Colocai as asas e despertai o esplendor enrodilhado dentro de vós: vinde até mim!

  62. Em todos os meus encontros convosco deverá a sacerdotisa dizer — e seus olhos arderão de desejo enquanto ela se mantém nua e regozijante em meu templo secreto — A mim! A mim! chamando para fora a chama dos corações de todos em seu cântico de amor.

  63. Cantai a arrebatadora canção de amor para mim! Queimai perfumes para mim! Trajai jóias para mim! Bebei a mim, pois eu vos amo! Eu vos amo!

  64. Eu sou a filha de pálpebras azuis do Pôr–do–sol; eu sou o brilho nu do voluptuoso céu noturno.
  65. A mim! A mim!

  66. A Manifestação de Nuit terminou.