Capítulo II

  1. Nu! o esconder de Hadit.

  2. Vinde! todos vós, e aprendei o segredo que ainda não foi revelado. Eu, Hadit, sou o complemento de Nu, minha noiva. Eu não sou estendido e Khabs é o nome de minha Casa.

  3. Na esfera eu sou em todo lugar o centro, enquanto ela, a circunferência, em nenhum lugar é encontrada.

  4. No entanto, ela será conhecida & eu, nunca.

  5. Contemplai! os rituais do tempo antigo são negros. Possam os maus serem lançados fora; possam os bons serem purgados pelo profeta! Então este Conhecimento seguirá correto.

  6. Eu sou a chama que queima em todo coração humano, e no âmago de cada estrela. Eu sou a Vida e o doador da Vida; entretanto o conhecimento de mim é o conhecimento da morte.

  7. Eu sou o Mago e o Exorcista. Eu sou o eixo da roda, e o cubo no círculo. “Vinde a mim” é uma palavra tola, pois sou eu quem vai.

  8. Quem adorou Heru–pa–kraat adorou a mim; mal, pois sou eu o adorador.

  9. Lembrai–vos todos vós de que a existência é puro gozo; de que todas as aflições são apenas sombras; elas passam e se vão, mas existe aquilo que permanece.

  10. Ó profeta! tu tens má–vontade em aprender esta escrita.

  11. Eu vejo que tu odeias a mão & a pena; mas eu sou mais forte.

  12. Por causa de mim em Ti que tu não conhecias.

  13. Por quê? Porque tu eras o conhecedor, e eu.

  14. Que agora seja este santuário velado: que agora a luz devore os homens e os engula com a cegueira!

  15. Pois eu sou perfeito, não o sendo; e meu número é nove para os tolos; mas com o justo eu sou oito, e um em oito: O que é vital, pois eu sou nenhum de fato. A Imperatriz & o Rei não são de mim; pois existe mais um segredo além.

  16. Eu sou a Imperatriz & o Hierofante. Logo onze, como minha noiva é onze.

  17. Ouvi a mim, vós, povo de lamentações!

    Os amargores dos pesares e das dores

    São deixados para o morto e o moribundo,

    As pessoas que não me conhecem ainda.

  18. Eles estão mortos, estes sem–valor, eles não sentem. Nós não somos para os pobres e tristes: os senhores da terra são nossos parentes.

  19. Haverá um Deus de viver num cão? Não! Mas os mais elevados são dos nossos. Eles deverão se regozijar, nossos escolhidos: quem se amargura não é dos nossos.

  20. A beleza e a força, o gargalhar saltitante e o langor delicioso, a força e o fogo, pertencem a nós.Nós não temos nada com o proscrito e o desajustado: que eles morram em sua miséria. Pois eles não sentem. A compaixão é o vício dos reis: pisai sobre o miserável & o fraco: esta é a lei do forte: esta é a nossa lei e a alegria do mundo. Não penses, ó rei, sobre aquela mentira: Que Tu Deves Morrer: em verdade tu não morrerás, mas viverás. Que isso possa ser entendido: mesmo que o corpo do Rei se dissolva, ele permanecerá em puro êxtase para sempre. Nuit! Hadit! Ra–Hoor–Kuit! O Sol, a Força & a Visão, a Luz; estes são para os servos da Estrela & da Serpente.

  21. Eu sou a Serpente que dá o Conhecimento e a Delícia e a glória que brilha, e agito os corações dos homens com a embriaguez. Para me adorar toma vinho e drogas estranhas sobre as quais falarei ao meu profeta, & embebeda–te de todas ! Elas não te farão mal algum. Isso é mentira, essa tolice contra ti. A exposição da inocência é uma mentira. Sê forte, ó homem! Deseja intensamente, usufrui de todas as coisas dos sentidos e do arrebatamento: não temas que qualquer Deus venha a te renegar por isso.

  22. Eu sou só: não existe Deus onde estou.

  23. Contemplai! estes são graves mistérios; pois existem também dentre meus amigos aqueles que são eremitas. Agora não penseis em encontrá–los na floresta ou na montanha; mas em camas de púrpura, acariciados por magníficas bestas de mulheres com grandes membros, e fogo e luz em seus olhos, e volumosas mechas de cabelo flamejante sobre eles; lá vós os encontrareis. Vós os vereis no comando, em exércitos vitoriosos, em toda a alegria; e haverá neles uma alegria um milhão de vezes maior que esta. Cuidado para que um não force o outro, Rei contra Rei! Amai–vos uns aos outros com os corações ardentes; nos homens baixos pisoteai no feroz desejo de vosso orgulho, no dia de vossa ira.

  24. Vós sois contra o povo, Ó meus escolhidos!

  25. Eu sou a Serpente secreta enrodilhada e a ponto de saltar: em meu enrodilhar existe gozo. Se eu ergo minha cabeça, eu e minha Nuit somos um. Se eu deixo cair minha cabeça, e lanço meu veneno, então há arrebatamento na terra, e eu e a terra somos um.

  26. Existe grande perigo em mim; pois aquele que não entender estas runas cometerá um grande engano. Ele cairá no poço chamado Porquê, e lá ele perecerá com os cães da Razão.

  27. Agora uma maldição sobre o Porquê e seus parentes!

  28. Seja o Porquê amaldiçoado para sempre!

  29. Se a Vontade pára e grita Por quê, invocando o Porquê, então a Vontade pára & nada faz.

  30. Se o Poder pergunta por quê, então o Poder é fraqueza.

  31. Também a razão é uma mentira; pois existe um fator infinito & desconhecido; & todas as palavras deles são artifícios.

  32. Basta de Por quê! Seja ele danado como um cão!

  33. Mas vós, ó meu povo, levantai & acordai!

  34. Que os rituais sejam corretamente executados com alegria & beleza!

  35. Existem os rituais dos elementos e as festas das estações.

  36. Uma festa para a primeira noite do Profeta e sua Noiva.

  37. Uma festa para os três dias em que foi escrito o Livro da Lei.

  38. Uma festa para Tahuti e a criança do Profeta, Segredo, Ó Profeta!

  39. Uma festa para o Supremo Ritual, e uma festa para o Equinócio dos Deuses.

  40. Uma festa para o fogo e uma festa para a água; uma festa para a vida e uma festa ainda maior para a morte!

  41. Uma festa todo dia em vossos corações, na alegria de meu arrebatamento!

  42. Uma festa toda noite para Nu, e o prazer do máximo deleite!

  43. Sim! festejai! rejubilai–vos! não há temor daqui por diante. Existe a dissolução, e o êxtase eterno nos beijos de Nu.

  44. Existe morte para os cães.

  45. Tu falhas? Estás arrependido? Existe medo em teu coração?

  46. Onde eu sou estas coisas não são.

  47. Não te apiedes dos caídos! Eu nunca os conheci. Eu não sou para eles. Eu não consolo: eu odeio o consolado & o consolador.

  48. Eu sou único & conquistador. Eu não sou dos escravos que perecem. Que sejam danados & mortos! Amén. (isto é dos 4: há um quinto que é invisível, & lá dentro eu sou como um bebê no ovo.)

  49. Eu sou azul e ouro na luz da minha noiva: mas o brilho vermelho está nos meus olhos; & minhas lantejoulas são púrpura & verde.

  50. Púrpura além da púrpura; é a luz mais alta que a visão do olho.

  51. Existe um véu; esse véu é negro. É o véu da mulher modesta; é o véu do pesar, & o sudário da morte; nada disso é de mim. Arrancai aquele espectro mentiroso dos séculos: não veleis vossos vícios em palavras virtuosas: esses vícios estão a meu serviço; fazei o bem, & eu vos recompensarei aqui e no porvir.

  52. Não temas, ó profeta, quando estas palavras forem ditas, tu não te arrependerás. Tu és enfaticamente meu escolhido; e abençoados são os olhos sobre os quais tu olhares com alegria. Mas eu irei te esconder em uma máscara de pesar; aqueles que te virem recearão que tu estejas caído: mas eu te ergo.

  53. Nem será de nenhum proveito para aqueles que bradarem em sua tolice que tu nada significas de valor; tu revelarás isto: tu vales: eles são os escravos do porquê. Eles não são de mim. As pausas como tu queres; as letras? não as mude em estilo ou valor!

  54. Tu obterás a ordem & o valor do Alfabeto Inglês; tu encontrarás novos símbolos para atribuir a eles.

  55. Debandai! vós zombadores; ainda que gargalheis em minha honra, vós não gargalhareis por muito tempo; então quando estiverdes tristes sabereis que eu vos abandonei.

  56. Aquele que é correto permanecerá correto; aquele que é imundo permanecerá imundo.

  57. Sim! não cogiteis de mudança: vós sereis como sois, & não outra coisa. Portanto os reis da terra serão Reis para sempre: os escravos servirão. Não existe nenhum outro que possa ser derrubado ou erguido: tudo é como sempre foi. No entanto existem servos meus mascarados: pode ser que aquele mendigo acolá seja um Rei. Um Rei pode escolher seus trajes como quiser: não existe teste certo: mas um mendigo não pode esconder sua pobreza.

  58. Portanto cuidado! Amai a todos, para que não haja porventura um Rei encoberto. Tu dizes assim? Tolo! Se ele for um Rei, tu não podes feri–lo.

  59. Portanto golpeai duro & baixo, e para o inferno com eles, mestre!

  60. Existe uma luz diante de teus olhos, ó profeta, uma luz indesejada, a mais desejável.

  61. Eu estou erguido em teu coração; e os beijos das estrelas chovem forte sobre teu corpo.

  62. Tu estás exausto na voluptuosa plenitude da inspiração; a expiração é mais doce que a morte, mais rápida e risonha que uma carícia do próprio verme do Inferno.

  63. Oh! tu estás sobrepujado: nós estamos sobre ti; nosso deleite está todo sobre ti; salve! salve: profeta de Nu! profeta de Had! profeta de Ra–Hoor–Khu! Agora regozija–te! agora vem em nosso esplendor & arrebatamento. Vem em nossa paz apaixonada, & escreve palavras doces para os Reis!

  64. Eu sou o Mestre: tu és o Único Sagrado Escolhido.

  65. Escreve, & encontra o êxtase na escrita! Trabalha, & sê nossa cama no trabalho! Freme com a alegria da vida & da morte! Ah, tua morte será adorável: quem a vir ficará feliz. Tua morte será o selo da promessa de nosso amor de eras. Vinde! ergue teu coração & regozija–te! Nós somos um; nós somos nenhum.

  66. Segura! Segura! Agüenta firme teu arrebatamento; não caias no desfalecer dos beijos excelentes!

  67. Mais firme! Sustenta a ti mesmo! Levanta tua cabeça! não respires tão fundo — morre!

  68. Ah! Ah! Que sinto eu? Está a palavra exaurida?

  69. Existe auxílio & esperança em outros encantamentos. A sabedoria diz: sê forte! Então poderás suportar mais gozo. Não sejas animal; refina teu arrebatamento! Se tu bebes, bebe pelas noventa e oito regras da arte: se tu amas, excede em delicadeza; e se tu fazes qualquer coisa prazerosa, que exista sutileza nela.

  70. Mas excede! excede!

  71. Esforça–te sempre por mais! e se tu és verdadeiramente meu — e não o duvides, se tu estás sempre cheio de prazer — a morte é a coroa de tudo.

  72. Ah! Ah! Morte! Morte! tu ansiarás pela morte. A Morte é proibida, ó homem, para ti.

  73. A extensão de tua ânsia será a força de tua glória. Ele que vive muito tempo & deseja muito a morte é sempre o Rei entre os Reis.

  74. Sim! Atentai para os números & as palavras:

  75. 4 6 3 8 A B K 2 4 A L G M O R 3 Y X 24 89 R P S T O V A L. Que significa isso, ó profeta? Tu não o sabes; nem o saberás algum dia. Virá alguém para te seguir: ele o deverá expor. Mas lembra–te, ó escolhido, de ser para mim; de seguir o amor de Nu no céu iluminado de estrelas; de olhar pelos homens, para dizer–lhes esta palavra alegre.

  76. Ó sê orgulhoso e poderoso entre os homens!

  77. Ergue a ti mesmo! pois não há ninguém como tu entre os homens ou entre os Deuses! Ergue a ti mesmo, ó meu profeta, tua estatura ultrapassará as estrelas. Eles adorarão o teu nome, quadrangular, místico, maravilhoso, o número de um homem; e o nome da tua casa é 418.

  78. O fim do esconderijo de Hadit; e bênção & adoração para o profeta da adorável Estrela.